+ SOBRE PERDA AUDITIVA

Os sons ao nosso redor são transmitidos ao cérebro e envolvem três partes da orelha durante o processo. As ondas sonoras fazem um caminho pelo canal auditivo até o nosso tímpano.

Dessa maneira, a frequência e a intensidade dos sons se tornam determinantes para que haja a interpretação do que se está ouvindo.

 

GRAUS DE PERDA AUDITIVA

Atualmente, a maioria dos casos de perda auditiva é classificado como leve ou moderado.
Porém, há um considerável número de pessoas que possuem os outros da doença.

 

GRAU LEVE

• Sons fracos são difíceis de escutar;
• Som da fala traz confusão ao cérebro em um ambiente ruidoso.

GRAU MODERADO

• Sons considerados moderados e fracos se tornam difíceis para ouvir;
• Compreensão da fala se torna muito difícil na presença de ruídos.

GRAU SEVERO

• Conversas têm de ser conduzidas em um tom de voz muito mais alto com um enorme esforço.

PERDA AUDITIVA PROFUNDA

• Sem o uso de aparelhos auditivos, não é mais possível uma comunicação efetiva, mesmo que simples.

 

TIPOS DE PERDA AUDITIVA

Há 4 tipos principais de perda auditiva que afetam uma parte diferente do ouvido e trazem origens variadas.

Vale lembrar que a origem da perda pode vir de:
• Envelhecimento;
• Muita exposição a sons altos;
• Acumulação de cera no ouvido;
• Resposta a alguns tipos de medicamentos.

PERDA AUDITIVA CONDUTIVA

• Sons não são conduzidos da forma correta;
• Grau varia de leve a moderado;.
• Há casos em que a perda é temporária, dependendo da sua origem.

PERDA AUDITIVA NEURAL

• Infelizmente, muitas vezes, aparelhos auditivos e implantes não conseguem atender a esse tipo de problema, pois o nervo não é mais capaz de enviar as informações para o cérebro.

SENSORIONEURAL

• falta de células ciliadas na cóclea ou quando as mesmas sofreram danos e os graus variam do mais leve ao profundo.

MISTA

• Mistura entre a Sensorineural e Condutiva;
• Tratamentos podem ser um conjunto de medicações, aparelhos auditivos, cirurgia ou implantes.

mais_sobre_perda

CONSEQUÊNCIAS DA PERDA AUDITIVA

A perda auditiva, se não tratada, pode trazer uma série de complicações:
• Fúria
• Decepção
• Falta de atenção
• Tristeza profunda
• Constrangimento
• Inquietação
• Ansiedade
• Conversas objetivas e curtas
• Momentos solitários e silenciosos
• Repetição de falas em diversas situações

Não fique alheio aos problemas que a perda auditiva pode trazer. O uso de aparelho auditivo, conciliado à práticas para que a comunicação volte a ser eficiente, é essencial a todas as pessoas que possuem algum grau, mesmo que baixo, de perda auditiva.

 

COMO É A AVALIAÇÃO

As avaliações são essenciais para chegar num diagnóstico real. Com o diagnóstico podemos descobrir se de fato temos perda auditiva, se sim, qual foi a origem e qual o tipo e grau. Vale lembrar que os testes da Unibel não são desconfortáveis e nem dolorosos, são feitos com cuidado e respeito ao ser humano.

Para um diagnóstico mais assertivo, o audiologista perguntará sobre seus hábitos e se já houve uma consulta anterior. Com um otoscópio, ele visualizará o seu canal auditivo, sem dores ou complicações. Outros procedimentos comuns serão feitos para analisar qual é o grau e tipo de perda. Só assim, o aparelho ideal poderá ser indicado.

 

 

Qualidade de vida em alto e bom som.